Domingos Peixoto e Dida Sampaio são os mais premiados de 2015

Pela primeira vez, desde que foi criado, Ranking Jornalistas&Cia tem profissionais de imagem como protagonistas

O velho e conhecido ditado “uma imagem vale mais do que mil palavras” nunca foi tão verdadeiro para o jornalismo brasileiro como neste ano de 2015, em especial nas premiações Brasil afora. Tanto que dos cinco profissionais que ocuparam as três primeiras posições do Ranking J&Cia dos +Premiados Jornalistas Brasileiros de 2015 (houve um empate triplo no terceiro lugar), quatro têm a missão diária de informar através de imagens, caso dos líderes desta edição da pesquisa.

Domingos Peixoto, de O Globo, que já havia sido segundo colocado em 2014, dividiu a primeira colocação de +premiado jornalista brasileiro de 2015 com o correspondente do Estadão no Distrito Federal Dida Sampaio. Liderança inédita para profissionais de imagem desde a criação do ranking, em 2011.

CrimeALiberdadeImprensaDidaPeixoto
Sequência de fotos “Crime à liberdade de imprensa”

No caso de Domingos, a vitória é ainda fruto da triste sequência de fotos intitulada Crime à liberdade de imprensa, que registrou o fatídico momento em que o cinegrafista Santiago Andrade (TV Bandeirantes) foi atingido por um rojão durante manifestações no Rio de Janeiro. Com as fotos, ele já havia conquistado no ano passado os prêmios Esso e CNT de Fotografia e o Grande Prêmio Barbosa Lima Sobrinho, do Embratel/Claro. Só que a sequência continuou concorrendo e ganhando prêmios, tendo conquistado as categorias Fotografia do internacional Iberoamericano Rei de Espanha, AMB e Tim Lopes (Disque Denúncia-RJ). Somadas, as três premiações lhe renderam 135 pontos, 35 a menos que os 170 conquistados em 2014, mas o suficiente para garantir-lhe a liderança neste ano.

Vitória dividida de maneira muito justa com Francisco de Assis Sampaio, o Dida Sampaio, repórter fotográfico da sucursal do Estadão no Distrito Federal. Essa conquista garantiu, pelo segundo ano consecutivo, um profissional do Centro-Oeste como mais premiado do ano, já que em 2014 o vencedor havia sido o repórter da Folha de S.Paulo no DF Dimmi Amora.

Dois trabalhos deram o posto a Dida. Em Favela Amazônia, reportagem especial produzida em parceria com o repórter Leonêncio Nossa, a dupla registrou a realidade de um terço da população das grandes e médias cidades da Amazônia, que vive em territórios de tráfico e com constantes violações de direitos humanos. O especial faturou em 2015 os prêmios Esso (Regional Sudeste), Vladimir Herzog (Jornal) e Direitos Humanos de Jornalismo/RS (Reportagem). Já com a fotografia Lava Jato Planalto (abaixo), Dida mostrou as suas sagacidade e paciência de fotógrafo para aguardar o momento exato em que a presidente Dilma Rousseff passava de bicicleta em frente a um lava jato, no Distrito Federal. A imagem rendeu ao profissional outro prêmio Esso, desta vez o de Fotografia, e o Estadão de Jornalismo, na mesma categoria.

LavaJatoPlanaltoDidaSampaio
“Lava Jato Planalto” faturou o Esso de Fotografia em 2015

Na terceira posição, um empate triplo. Acostumados a trabalhar juntos pela Folha de S.Paulo, o repórter Fernando Canzian, o editor de Arte Mario Kanno e o designer e infografista Lucas Zimmerman conquistaram, cada um, 120 pontos. Duas reportagens foram responsáveis por esse bom desempenho, não apenas para os três profissionais, mas para outros da Folha que também participaram de um ou do outro trabalho. Em Boyhood Bolsa Família, veiculado pela TV Folha e vencedor do Esso de Melhor contribuição ao telejornalismo, Canzian acompanhou por dez anos as mudanças na vida de uma família beneficiária do programa federal. Além de Kanno e Zimmerman, participaram da apuração e edição da reportagem André Felipe, Carolina Dafarra, Leo Caldas, Paula Reverbel, Renata Maneschy e Rubens Fernando Alencar.

A outra matéria que ajudou a garantir a boa colocação para os profissionais da Folha foi o especial Líquido e Certo – O futuro dos recursos hídricos no Brasil. Reportagem mais premiada no Brasil em 2015 (ver pg. 5), contou com a participação de 14 profissionais, seis deles repórteres que retrataram de perto as situações limite de secas em São Paulo e no semiárido nordestino, e de inundações no rio Madeira. O especial rendeu à equipe os prêmios Esso de Informação científica, tecnológica e ambiental, CNI de Jornalismo (Internet) e SIP (Cobertura multimídia). Também participaram da produção da reportagem André Moscatelli, Bruno Scatena, David Garroux, Dimmi Amora, Douglas Lambert, Eduardo Geraque, Fabio Marra, Lalo de Almeida, Marcelo Leite, Rogério Andreotti Luiz (Pilker) e Rafael Garcia.

Completam os Top 10 de Os +Premiados Jornalistas Brasileiros 2015 o repórter e âncora da Globo News André Trigueiro, em 6º lugar, com 110 pontos; empatados na 7ª posição, com 100 pontos, estão a repórter especial e articulista de O Globo Dorrit Harazim e o criador e apresentador do Manhatttan Connection, também da Globo News, Lucas Mendes; em 9º, com 97,5 pontos, vem o editor de Fotografia da Folha de S.Paulo Fabio Marra; e o chefe de reportagem do caderno Metrópole, do Estadão, Marcelo Godoy, está na 10ª posição, com 92,5 pontos.

Confira a relação com os Top 100 dos +Premiados Jornalistas Brasileiros de 2015:

JornalistasMaisPremiadosAno

Deixe uma resposta

*